#DICA04 sobre assepsia de tanques!

Para assepsia dos tanques fermentadores, deve ser realizado o processo de limpeza e sanitização.⁣⁣

⚠️Antes da etapa de limpeza, o tanque precisa ser despressurizado e o CO2 precisa ser eliminado. O CO2 pode reagir com a soda cáustica, baixando a pressão interna do tanque e causando uma implosão ou até mesmo uma redução da concentração da solução detergente alcalina, diminuindo sua eficiência de limpeza. Mesmo que o tanque não imploda, pequenas deformações podem ser causadas, gerando fissuras ou até mesmo pontos mortos dificultando o processo de assepsia.

⁣⁣💡 Normalmente a etapa de limpeza é realizada com um detergente alcanino a base de soda cáustica por causa da natureza da sujidade. Para sujidades de natureza orgânica, indica-se utilização de produtos alcalinos, para sujidade inorgânica, produto ácido).

⁣⁣🧐 Durante o processo de pré-enxágue com água, parte do CO2 é eliminado. Para garantia de que o processo seja finalizado com sucesso, pode ser utilizado o ar comprimido ou um exaustor. O check pode ser realizando através do TESTE DE VELA. ⁣

🕯Uma vela pode ser disposta na extremidade de um varão. Essa vela deve ser acesa e inserida no tanque. Se a vela permanecer acesa, você finalizou o processo de expulsão de CO2, se a vela apagar, ainda existe presença do gás no interior tanque, sendo necessária a expulsão do residual.

⁣⁣Já viram algum incidente desse tipo acontecer? Conta pra gente!

Chiara Rêgo Barros é Engenheira Química especialista em Gestão da Qualidade e Produtividade e em Biotecnologia e Bioprocessos, Cervejeira Profissional e Bier Sommelière. Com mais de 15 anos de experiência na área de Produção e Tecnologia Cervejeira, atua como Consultora Técnica para Microcervejarias e Professora no Instituto Ceres de Educação e Consultoria Cervejeira, além de ministrar aulas na Bräu Akademie.